Tuesday, May 09, 2017

Eu nasci para me irritar com clichés



Neste vídeo (link) o Hanson, uma de minhas bandas preferidas, toca a faixa nova "I was born", sua mais nova produção comercial de positividade, uma carona n'uma onda talvez filosófica do pre-determinismo, implicando que tudo que fazemos é fruto de sermos agentes autônomos de nossos destinos.

Porta-vozes do resto do mundo, ou não, fica difícil se posicionar com relação a uma letra toda cantada na 1ª pessoa do singular, mas intencionada para responder por uma legião de seguidores, principalmente quando todo mundo se apropriou facilmente da mensagem, que respinga alto-astral em quase 4 minutos de música, deixando pouca margem para a propensão humana ao erro e, com frequência, a nos decepcionarmos e fracassarmos, comumente adotando princípios otimistas até demais (estímulos Polianistas), como os que dominam redes sociais, posts, statuses, stories, snaps etc, em forma de fotos, vídeos, checkins e tudo mais fugaz, raso e vazio de verdades humanas.


Musicalmente, a faixa cumpre o que deve ter sido o objetivo de uma música nada pungente, algo como uma trilha encontrada em qualquer editorial de programas cristãos de acampamento juvenil nos EUA. Ou um comercial do Tomorrow Land, se fosse na terra da música pop. Ou qualquer música deste mix. E o problema está justamente nisso, Hanson não deveria se enquadrar na categoria de "qualquer música", afinal são 20 anos de carreira, ainda que na sombra do esquecimento, já há mais de uma década e meia.

Posso afirmar isso, pois conheço o trabalho da banda a fundo e eles frequentemente acertam, a despeito da indústria e tendências anti-originalidade.

Na sequência, eles tocam MMMBop, o pontapé da carreira, da trajetória de sucesso que começou 20 anos atrás. Não consigo entender como "I was born" conecta o novo momento do Hanson com a banda que estreou com MMMBop. É a tentativa mais insossa de remontar ao começo de uma carreira admirável. Principalmente, quando, no mesmo vídeo, o Zac explica como "é possível ir mais profundo no psique da letra de MMMBop que, na verdade, trata-se do psique de crianças passando por rejeição, mas tendo a chance de ver seus sonhos se tornarem uma realidade, convivendo com as consequência de ambos, ao mesmo tempo." Além de ter sido chamada de "sombria e inebriante". Ou seja, nenhuma mensagem exacerbada de puro positivismo, como as que encontramos em canecas decoradas na Imaginarium e duty-frees pelo mundo, pode se comparar com essa noção profunda da letra de MMMBop, que na verdade, segundo o Isaac, faz mais sentido se cantada no ritmo dramático original.

A próxima faixa é "Thinking 'bout somethin'", ótima faixa, explicada aqui. Este post por si só já deixa claro como a banda é relevante para a música americana e mundial. O host da Billboard consegue ser superficial o bastante com o comentário "Que incrível!" - quando na verdade, não importa, a música é boa mesmo, ainda que esta versão ao vivo tenha sido pobre e deprimente, para sua realidade de riqueza instrumental.

Veja o clipe com a letra de "I was born":


Veja o clipe oficial, lançado em 26 de maio.




Bom, foi um desabafo enquanto espero os shows da turnê no Brasil, este ano.

23 de agosto - Rio de Janeiro
24 de agosto - Belo Horizonte
25 de agosto - São Paulo

Monday, September 19, 2016

Flores pelo asfalto



Não se preocupe, vamos sobreviver
sorrisos forçados, sob a luz frágil e fria
não há conforto nos lugares familiares, não desta vez
Você o mantém no mais profundo interior
Nem sinal de inundação, mas as águas continuam a subir
Flores pelo asfalto, diamantes nas bolsas de seus olhos
vire o rosto e o esconda

Eu vi uma mulher, com fitas no cabelo
idosa e solitária, tão bonita que tive que parar e fitá-la
A fonte não secará
Se acordar no meio da noite
as paredes cairão, deixando entrar a luz
não é preciso se preocupar
Até os anjos choram

Even Angels Cry | Jars of Clay


Esses versos me transmitem o conforto nas palavras de alguém muito querido, tentando lembrar que apesar de todo o sofrimento, não é preciso se preocupar, ainda que estejamos em um quarto escuro, a luz invadirá e suplantará a escuridão.

Quando sentimos que não há mais esperança, ficamos sem visão e com medo. Nada disso nos torna únicos em nosso sofrimento. Todos sofremos, pecamos, erramos, precisamos de ajuda, pessoas, amor, milagre, conforto. Essa semelhança universal é que nos aproxima.

Não tenha receio de expressar sua humanidade. Choramos, somos falhos e fracos e quando não mais suportarmos a dor, lamentamos. Isso é um traço humano.

Há uma mensagem bastante humana nestes temas: sofrimento, desespero na sobrevivência, o cenário de destruição, portas fechadas, cansaço, desgaste, solidão, pessoas queridas, familiares, todos esquecidos, abandonados, sem identidades. O campo de guerra, onde todos se tornam em seu próximo, todos viram companheiros numa luta por sobrevivência.

Em situações assim, você deseja ouvir algo que alimente sua esperança. Talvez nem mesmo sua própria casa seja um lugar seguro e confortável e passa a ser alvo de destruição também, como tudo em volta. As palavras de conforto virão, mas e o cumprimento delas? Não é certo.

Tuesday, September 06, 2016

Bolhas ao Vento

"Nossos corações são como o sonho de quem faz bolhas de sabão, levados por todo tipo de ventos" Weighed Down, Jars of Clay

Podemos banalizar o amor?

Compara-se os corações ao sonho de alguém que sopra bolhas de sabão, imediatamente levadas por qualquer vento, impelidas por ele como a pragana. Talvez o sonho de quem as cria seja que as bolhas permaneçam ali, mesmo que por um tempo de vida tão curto, mas o vento as leva.


Nossos corações são levados pelos ventos e se chocam com alguma parede ou galho de árvore e se ferem.

O 'sonho' ilustra o abatimento, como candeias enfraquecidas. Quando se fica 'abadito' sonhando, quem sonha espera que algo ou alguém mude, para então se sentir liberto desse abatimento/ depressão.

Almeja-se a leveza de emoções positivas.