Thursday, March 31, 2011

"Gritando Silenciosamente & Expressando Seus Medos"



Juntamente com outras bandas, o Jars gravou um vídeo para o cover da música "Ob-La-Di, Ob-La-Da", dos Beatles e tudo estava indo muito bem, até algumas almas de 1ton resolverem se ocupar com o uso de suas morfinas da alma. O Dan, do Jars of Clay, decidiu então postar a respeito. Traduzi seu post na íntegra abaixo, que além de um grande relato de parte da história da banda, também abordou a situação com mais tapas na cara, que não é novidade para quem conhece o Dan. Enquato isso, vou ouvir mais "Long Fall Back to Earth", hoje estou no mood dos relacionamentos interpessoais, loucos, conturbados, que nos fazem descobrir que somos todos péssimos, mas precisamos uns dos outros para aceitarmos isso e quem sabe um dia, aprendermos algo e melhorarmos, haha é engraçado até...


"Gritando Silenciosamente & Expressando Seus Medos"


Na empolgação pelo vídeo que fizemos na Rock & Worship Road Show ter recebido tanta atenção, talvez eu tenha feito algo que eu não deveria ter feito. Decidi ler comentários deixados abaixo do vídeo, sem saber exatamente o que eu esperava encontrar. Provavelmente eu queria ler elogios sem fim e comentários ilimitados sobre como todos no vídeo são brilhantes, engraçados e bonitos e que provavelmente, o cara tocando a gaita era sem dúvida o mais cativante... eu confesso, tenho uma quedinha por elogios às vezes.


O vídeo chegou em canais onde o “Cristianismo” recebe muitas críticas e apesar de ser apenas uma performance de uma música dos Beatles, ele havia sido feito por “Cristãos.”


Ler os comentários foi péssimo. Não porque eu me senti ofendido, ou pessoalmente atacado, mas porque eu consegui entender a raiva e ódio ali. As palavras vinham impregnadas com o tipo de veneno que apenas fóruns anônimos de uma sessão de comentários de um vídeo conseguem encorajar.


Fatalmente levantei questões com as quais tenho lutado por um bom tempo. Foi o mesmo senso de injustiça que eu senti quando as pessoas menosprezavam o Jars of Clay, como um padrão artisticamente inferior, simplesmente porque éramos cristãos.


Eu me lembro que eu não conseguia entender completamente como uma pessoa podia fazer tal conexão. Se eu usasse a lógica que usaram, poderia usar o mesmo julgamento de bandas de mal gosto como Muse, para avaliar o Creed, simplesmente por estarem no mesmo gênero Rock & Roll. Não faz muito sentido para mim.


Foi uma luta constante a fim de fazer com que as pessoas criticassem nossa música por seus próprios méritos, independente de quaisquer outras bandas “cristãs” realmente de baixa qualidade que tenham conhecido.


Era ainda pior quando a nossa música era desprezada, por causa de algum DJ que teve uma experiência frustrante em escolas católicas, onde estudou, OU, por mais louco que isso pareça, por causa das Cruzadas.


Aparentemente, mesmo quando cantávamos algo que era considerado universalmente verdadeiro ou não religioso, mesmo se estivéssemos tocando em algum bar, sem sequer falarmos uma palavra, MESMO assim, tudo mais que faziam as pessoas odiarem religiões, o Papa, Republicanos, Carmen, Tel-Evangelistas, eram motivos para as pessoas odiarem o Jars of Clay.


Quando eu era mais novo, isso me deixou tão irado, que eu não conseguia me desvencilhar. Quando cheguei em uma cidade e li o guia de eventos, acabei lendo o que algum idiota havia escrito, usando termos degenerativos como “Holy Rollers” ou “Bible-Thumpers” para descrever nossa banda, ou quando algum crítico ignorante opresso havia decidido que, em vez de escrever uma crítica útil sobre a nossa música, eles aproveitariam a oportunidade para escrever a patada religiosa “mais inteligente” que era capaz de imaginar... (inteligente para eles apenas, pois conhecíamos todas elas). Por causa disso, eu costumava ligar para a revista e desafiava o editor a ir ao show. Pedia ao crítico “inteligente” para ouvir o nosso cd e assistir o nosso show. Se fôssemos uma banda terrível e se nossa música fosse terrível, então que escrevesse que era terrível. Se o show fosse um saco, ou nada estimulante, então que escrevesse que era um saco, mas não nos menospreze só porque detestava ser arrastado para a igreja por seus pais, quando era criança.


Eu fiz isso por 3 anos e finalmente alguns amigos me salvaram. Ele perceberam que minha alegria estava sendo jogada fora, viram que eu estava jogando muito tempo fora, defendendo o Jars of Clay, lutando contra os mal entendidos e interpretações erradas sobre quem éramos e sobre o Jesus em que acreditávamos. Perceberam que eu tinha quase tempo nenhum mais, para escrever músicas e me preocupar com os shows. Deixei aquilo entrar em mim e virar um câncer.


Fizemos uma escolha como uma banda naquele momento. As pessoas podiam falar o que quisessem. Elas nos conectariam com toda e qualquer versão esquisita e distorcida da igreja que existia. As pessoas nos associariam a quaisquer códigos de conduta religiosos e seríamos desprezados, porque as pessoas não gostavam da banda Stryper.


Escolhemos apenas fazer música e parar de lutar uma luta frustrante. Paramos de tentar entrar em conversas sendo atenciosos com pessoas que só queriam nos rotular como algo que os permitiriam poupá-los da tensão de terem que gostar de algo que era bom, mas que não estaria de acordo com seu ponto de vista.


Então nossa resposta à pergunta “Vocês são uma banda cristã?” ficou menor. “Sim, somos. A música presta ou não?” Mas isso criou outros problemas. Por termos começado a admitir que éramos uma “banda cristã”, começamos a perder audiência nas rádios seculares, mas esse não foi o maior problema.


Antes, muitos cristãos conservadores tinham medo de nós, por que não nos definíamos totalmente. Éramos vagos, porque não queríamos apenas tocar para igrejas. Não gostávamos da repressão imposta sobre a comunidade criativa, por sermos artistas “cristãos”. Então quando começamos a finalmente dizer que éramos cristãos, as pessoas de algumas igrejas que liam a Bíblia e tiravam conceitos dela (que na minha compreensão eram opostos ao amor, cuidado e atenção), começaram a usar a nossa música em seus cultos e para promover seus eventos. Começamos a receber convites para tocarmos em eventos evangélicos e houve um em que eu achei que minha cabeça ia explodir.


Após o show, um cara subiu no palco e disse ao público de mais ou menos umas 70.000 pessoas, que sabia, com exata precisão, quando seria o final dos tempos. Então ele me passou o microfone e perguntou, “se hoje você pudesse dar um conselho à nova geração, qual seria?” Imediatamente eu disse, “não acredite em tudo que as pessoas dizem.”


Isto que chamamos de igreja pode se tornar em algo altamente estranho. As distorções disfarçadas como “Chamado de Deu” não passam de algo maligno e é péssimo quando as pessoas nos conectam com tais coisas. Eu acabei tendo que começar a especificar a nossa versão de “Cristianismo” a outros cristãos, mas isso acabou sendo igualmente frustrante e sem graça. Após um tempo, passei a ver que as pessoas estão amedrontadas. Passei a pensar em algo como “expressar nossos medos”. Não expressamos nossos medos, apenas deixamos que saiam de maneiras diferentes. Eles escapam por meio de ódio e violência, por gritos e pragmatismo, tirania e controle. Sei que pessoas são um problema.


Sei que às vezes as crianças brincam com armas, matam seus amigos e conhecidos. As crianças moldam uma versão de Deus que é mais poderosa que conhecemos. Super-estimamos o nosso conhecimento sobre Deus e subestimamos a importância dos espaços e brechas em nosso entendimento. Acabamos manipulando as pessoas, sob a bandeira do céu. Passamos a usar as pessoas em nome de Jesus. Iniciamos guerras, abusamos as nossas esposas, excomungamos amigos feridos e alienamos almas vagantes, em nome do comportamento cristão religioso.


Então eu li os comentários e entendi as razões pelas quais as pessoas optam por não acreditarem em Deus. Eu mesmo tenho minhas dúvidas às vezes. Ainda não consigo acreditar totalmente nas pessoas. Sou um grande idiota maior parte do tempo, portanto em meus melhores e mais inteligentes dias, sei que as pessoas não devem confiar em mim.


Eu queria apenas ignorar os comentários negativos. Queria pensar que eram todos “ogros” e aceitar que a internet está cheia de gente assim. Porém tem algo que me consome. Algo que entende que se algo tão simples e alegre como um vídeo de algumas bandas se divertindo com um cover dos Beatles podia fazer com alguém silenciosamente destilasse tais comentários, então aqueles que são movidos pelo amor de Deus tem muito o que fazer.


Não se trata de defender o cristianismo, muito menos defender uma banda ou um vídeo. Nosso dever é nos encontrar na história de outras pessoas. É encontrar pessoas que odeiam Deus, ou acreditam que ele não existe e então conhecer essas pessoas. Nosso papel não é debater, nem encontrar maneiras super inteligentes de testemunharmos. Nosso papel é demonstrar gentileza e cuidado e sermos pessoas que amam.


Talvez eu esteja escrevendo isso para mim mesmo, talvez seja um lembrete do que eu não queria fazer hoje cedo e o que não quis fazer no início de minha carreia musical.


Eu não tento mais defender o Jars. Fico muito mal às vezes quando penso sobre a chance de abrirmos um show de algum artista que me influenciou de verdade. Fico triste por a música não poder ser apenas música e que as pessoas não possam gostar do que eu escrevo, por ter sido rotulada de certa forma, além dos limites.


Também não tento mais defender o cristianismo. Não é meu dever. Faz muito tempo que me cansei do penamento “Nós x Eles”. Existem apenas pessoas e o evangelho. Não podemos nos dar o luxo de traçar quaisquer outras divisões que sejam.


Defender uma ideia de certa forma a torna menos capaz, a menos claro que chamemos de defender, viver verdadeiramente essa ideia. Agir segundo os efeitos do que se acredita é sempre melhor do que explicá-lo. Almejo isso, apesar de não conseguir cumpri-lo. O que não me deixa em paz, no entanto, é o julgamento. Seria fútil tentar controlar quem usa a nossa música e os motivos porque a nossa música é usada e a forma como Jesus passa a ser alguém que suga a vida de alguém, em vez de ser a fonte de vida.


Provavelmente não vou ler nem mais um comentário, mas talvez irei sim.

3 comments:

Victor said...

O Dan deve querer morrer mesmo com esse tipo de comentário. Mas ele é sábio, escreve verdades...

Christiane said...

Oi, Juca! Adorei o seu blog, você é muito fashion! Parabéns pela originalidade! Beijos da tia

Juca said...

Victor, se a gente morre, imagina o Dan! Seria ótimo conversar pessoalmente com ele e saber tudo que ele pensa sobre tudo né? Os comentários postados no site dele também são maravilhosos!


Tia! Obrigado por vir ao meu blog cheio de assuntos desinteressantes eheh Percebi que blogs são ótimos para falarmos sozinhos um pouco, mas é sempre bom ter companhia, obrigado, beijocas.